Pré-requisito em Pediatria

Neonatologia e Medicina Intensiva Pediátrica

Supervisor: Dr. Anderson Azevedo Dutra

  • Formado pela Universidade Federal de Juiz de Fora

  • Residência Médica em Pediatria e em Neonatologia no Instituto da Criança (Faculdade de Medicina da USP)

  • Título de Especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira e Paulista de Pediatria

  • Título de Especialista de Neonatologia pela Universidade de São Paulo – USP-SP

  • Título de Intensivista Pediátrico pela Sociedade Brasileira de Pediatria e AMIB (Associação Médica Intensiva Brasileira)

  • Médico responsável pelas UTIs Neonatais da Santa Casa de Misericórdia de Araçatuba

  • Docente do curso de Medicina do UniSalesiano.

  • Pós-graduação em Preceptoria para Residência Médica no SUS pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês

Vice-Supervisora: Dra. Mirela Fink Hassan Rufato

  • Formada pela Universidade de Taubaté

  • Residência Médica em Pediatria e em Neonatologia no Hospital Santa Lydia - Ribeirão Preto-SP

  • Título de Especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria.

  • Médica pediatra da UTI neonatal de Araçatuba

  • Médica pediatra responsável pelo Serviço de Pediatria da Santa Casa de Penápolis e Hospital Unimed de Penápolis

  • Médica concursada do Hospital Estadual de Promissão

Preceptores:

  • Anderson Azevedo Dutra

  • Cibele Cristina Castilho

  • Leila Bou Farraj

  • Luciana Botelho

  • Mirela Fink Hassan Rufato

  • Rhaisa Maschio Leandro

Residências com pré-requisito em pediatria

A Santa Casa de Araçatuba está credenciada pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM/MEC)  para os programas de Neonatologia e Medicina Intensiva Pediátrica

A residência em Neonatologia

Objetivos gerais

Desenvolver habilidades em Neonatologia para prestar assistência ao nascido vivo desde o nascimento até, no mínimo, 28 dias de vida, em vários níveis de complexidade, que incluem o atendimento em sala de parto, alojamento conjunto, unidade de cuidados intermediários e intensivos, transporte intra/extra-hospitalar , seguimento ambulatorial de recém-nascidos de risco, manipulação de leite humano, administração hospitalar e ultrassonografia neonatal.

Objetivos intermediários

 

HABILIDADES NECESSÁRIAS PARA DESENVOLVIMENTO NO PRIMEIRO E SEGUNDO ANOS (R4 e R5):

A) ÁREA COGNITIVA: - Interpretar e discutir os dados de morbimortalidade perinatal - Diferenciar os recém-nascidos de alto e médio risco - Realizar monitorização dos sinais vitais - Conhecer a etiologia, fisiopatologia e o diagnóstico das doenças neonatais - Interpretar exames subsidiários laboratoriais, gráficos e de imagem - Tratar e prevenir as doenças prevalentes no período neonatal - Prescrever nutrição enteral e parenteral - Conhecer a morbidade associada ao transporte neonatal - Avaliar o risco pré-operatório e as complicações pós-operatórias - Formular o prognóstico neonatal e pós-neonatal - Acompanhar o desenvolvimento de neonatos de risco, incluindo os de muito baixo peso - Orientar os pais quanto aos cuidados com o recém-nascido - Avaliar e orientar a alta hospitalar do recém-nascido - Favorecer o vínculo mãe-filho e a humanização ao atendimento perinatal - Organizar a assistência perinatal.

B) ÁREA AFETIVA - Reconhecer a importância de assistir globalmente o recém-nascido e sua família - Sensibilizar a família da importância e manutenção do aleitamento materno - Sensibilizar-se ante à separação mãe-filho nas internações - Reconhecer os aspectos bioéticos que envolvem o paciente de extremo baixo peso, a presença de doença grave e/ou de anomalia congênita e a morte no período perinatal - Reconhecer a importância do trabalho em equipe e multiprofissional - Adquirir e/ou desenvolver o espírito científico e buscar atualização.

C) ÁREA PSICOMOTORA - Examinar o recém-nascido - Iniciar o atendimento imediato incluindo procedimentos de reanimação - Realizar monitorização da temperatura, cardiorrespiratória e hemodinâmica - Manusear incubadora, incubadora de transporte, berço aquecido, monitor cardíaco e de pressão, oxímetro e capnógrafo, bombas de infusão, bilirrubinômetro, aparelhos de fototerapia e ventiladores - Realizar sondagem naso-orogástrica, intubação traqueal, ventilação manual e mecânica, cateterismo umbilical arterial e venoso, administração de surfactante, medida de pressão arterial invasiva e não invasiva - Realizar punção capilar, arterial, venosa, lombar, abdominal e vesical - Realizar acesso vascular central por punção percutânea, drenagem torácica e exsanguíneotransfusão - Colher exames laboratoriais - Seguir técnicas para antissepsia pessoal, de equipamentos e ambiental - Transportar recém-nascidos criticamente doentes

A residência em Medicina Intensiva Pediátrica

Objetivos gerais

Este programa visa a formação de residentes de Pediatria na área de atuação de Medicina Intensiva Pediátrica, que deverá ter habilidades de reconhecer e tratar o paciente pediátrico criticamente enfermo, desenvolvendo habilidades para realizações dos diversos procedimentos realizados em uma Terapia Intensiva Pediátrica, como entubação orotraqueal, cateterização venosa central, pressão arterial invasiva. Serão disponibilizados treinamentos de urgências e emergências pediátricas, via aérea difícil, ventilação pediátrica e punção de acessos vasculares guiados por ultrassonografia.

Objetivos intermediários

 

Programa Teórico-Prático

1-AVALIAÇÃO CLÍNICA DO PACIENTE GRAVE: Escores de Gravidade e Prognóstico. Profilaxias

2- REANIMAÇÃO CÉREBRO-CÁRDIO-RESPIRATÓRIA

3- APARELHO CARDIO - CIRCULATÓRIO: Arritmias cardíacas; emergências hipertensivas; choque cardiogênico, hipovolêmico, distributivo e obstrutivo; ICC e Edema Pulmonar; Monitorização hemodinâmica invasiva e não invasiva; Cardiopatias Congênitas; Pré e pós operatório de cirurgia cardíaca

4- APARELHO RESPIRATÓRIO: Insuficiência respiratória aguda e crônica; Asma aguda grave, síndrome do Desconforto Respiratório Agudo; Doenças respiratórias obstrutivas altas; Oxigenioterapia e Suporte ventilatório mecânico (invasivo e não invasivo); Monitorização da ventilação mecânica; uso de gases especiais: Óxido Nítrico e Heliox; Doenças respiratórias neonatais: doença da Membrana Hialina, Síndrome da aspiração de mecônio e Displasia broncopulmonar

5- INFECÇÃO E SEPSE: Sepse; Síndrome da resposta inflamatória sistêmica; Disfunção de múltiplos órgãos e sistemas; Infecções relacionadas aos métodos invasivos; antibioticoterapia em Medicina Intensiva; Meningoencefalites; endocardite Bacteriana; Infecção em pacientes imunodeprimidos; infecções neonatais: tétano, infeções congênitas; dengue, leptospirose, e outras doenças infecciosas endêmicas

6- NEUROLÓGICO: Comas em geral; Hipertensão endocraniana; Polirradiculoneurites; Estado epiléptico; Miastenia Gravis; Infecções do sistema nervoso central; Noções de neuroimagem; asfixia e hemorragia neonatal; pré e pós operatório de neurocirurgias; trauma craniano

7- GASTRIINTESTINAL: Hemorragia digestiva alta e baixa; Insuficiência hepática e medidas de suporte; pré e pós operatório de grandes cirurgias abdominais; Abdômen agudo clínico e cirúrgico

8- SISTEMA ENDÓCRINO METABÓLICO: Coma hiperosmolar e cetoacidose diabética; hipoglicemia; Crise tireotóxica; Insuficiência supra renal aguda; Rabdomiólise; Diabete insípido; Síndrome de secreção inapropriada de ADH

9- RENAL: Insuficiência renal aguda; Métodos dialíticos; Distúrbios hidro-eletrolíticos e ácido-básicos; pré e pós operatório de grandes cirurgias urológicas e transplante renal

10- PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO: Avaliação do Risco pré-operatório; Pós operatório de grandes cirurgias (abdominais, neurológicas, renais, cardíaca ou torácicas); noções de Circulação Extracorpórea

11-COAGULAÇÃO: Coagulação intravascular disseminada, fibrinólise, Coagulopatia de consumo; Anticoagulação; Uso de hemoderivados e substitutos do plasma

12-POLITRAUMATISMO: TCE. Trauma raqui-medular. Síndromes compartimentais. Embolia gordurosa

13- GRANDE QUEIMADO

14- INTOXICAÇÕES EXÓGENAS E ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS, ACIDENTES POR AGENTES FÍSICOS E QUÍMICOS. QUASE AFOGAMENTO.

15- TRANSPLANTE HEPÁTICO, CARDÍACO, RENAL E MEDULA ÓSSEA. MANUTENÇÃO DO DOADOR E MANUSEIO DO PACIENTE TRANSPLANTADO. MORTE ENCEFÁLICA.

16- SUPORTE NUTRICIONAL: Nutrição parenteral e enteral: avaliação e acompanhamento nutricional, vias de acesso, indicações, composição das formulações (em Insuficiência Respiratória; Queimado; Trauma; Insuficiência Hepática e Renal; Sepse)

17- PACIENTE ONCOLÓGICO EM UTI

18- PROCEDIMENTOS INVASIVOS DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO . INDICAÇÕES E COMPLICAÇÕES: Intubação traqueal/traqueostomia/cricotireotomia; Cateterização arterial; Dissecção venosa; Cateterização venosa central e de artéria pulmonar; inserção de Marca-passo; Pericardiocentese e drenagem pleural . Raquicentese; Cateterização da veia umbelical; Punção intra-óssea.

19- MÉTODOS DE IMAGEM EM MEDICINA INTENSIVA

20- ASPECTOS ÉTICOS DA MEDICINA INTENSIVA.

21- SEDAÇÃO, ANALGESIA e BLOQUEIO NEUROMUSCULAR EM UTI.

22- TRANSPORTE DO PACIENTE GRAVE: INTRA E EXTRA-HOSPITALAR

23- INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

24- ANÁLISE CRÍTICA DA METODOLOGIA CIENTÍFICA

25- INDICADORES DE QUALIDADE E NORMAS MÍNIMAS DE FUNCIONAMENTO DE UTI’S